Postagem

2013 Jul 11

Ideologia do Poder

Ideologia do Poder

Poucas coisas são feitas com tanta paixão como discutir política, e, como em toda discussão acalorada impera-se absoluta a fé cega e teimosa, insultamos, provocamos e desdenhamos perplexos a insistência de nosso oponente em teorias esdrúxulas, desprovidas de resquícios fundamentais da razão e blindados ao mundo real que insistente em lhes fornecer evidências cabais do quão desconexos estão.


Em poucos minutos elas surgem, as ideologias, trazendo consigo a horda de seguidores, ansiosos por arremessar pedras na ideologia alheia, e os protagonistas deste drama são a esquerda e a direita. Estas duas palavras que o mundo decidiu que só existem se sobrepujando uma à outra. E quem são eles, os protagonistas?

Os esquerdistas, a os esquerdistas, os verdadeiros esquerdistas, nossos mais entusiasmados colegas defensores das liberdades individuais – dificilmente encontraremos um grupo tão coeso – nos ensinaram como lutar contra ditaduras, nos ensinaram que sem sacrifício não há conquista, que é nas ruas, com camisa molhada e testa suada, que se espalham as ideias. Quem quer ser visto tem que aparecer, já dizia meu amigo publicitário.

E logo ao lado, a direita, hoje tímidos, foram gigantes defensores das liberdades de indivíduos pacíficos poderem fazer trocas entre si. Meus colegas, na defesa da liberdade na economia. Há quem diga que sofrem de crise de representatividade, aparentemente o fato de que seus vizinhos esquerdistas estarem a tanto tempo no alto assento do poder os espalharam e hoje correm freneticamente em outros abrigos.

Representatividade, quem não precisa? Ávidos de que nossas ideias escapem o mundo das hipóteses e passem a habitar o complexo mundo real, nós confiamos a eles o importante papel, os políticos. Lutamos, gritamos, e votamos. E enfim, nossa ideologia chegou lá, nosso partido, através de homens engajados vai realizar nosso sonho. E o que é experimentado então, é a frustração.

PSDB acusado em uníssono de abandonar as suas bases ideológicas e agora já não sei se é esquerda ou direita. PT, acusado de abandonar a causa trabalhista e fortalecer seu mais temido vilão, os banqueiros. E agora, José? A festa acabou, a luz apagou…

É natural chegar à conclusão de que ardilosos caminhos foram traçados antes da conquista, e sinto desapontá-lo, mas não. O que seus representantes experimentaram foi o traiçoeiro sabor do poder, do comando, da influência, que sucumbe as bases morais dos desavisados e esta é a ideologia que agora seguem, a ideologia do poder, não tem compromisso com a liberdade individual ou econômica, não tem valores conservadores, liberais ou socialistas, possui somente os valores sórdidos da expropriação alheia e do enriquecimento rápido e ilícito.

Enquanto você esbravejava sua fidelidade, os jogadores do seu time assinavam contrato com o adversário, enquanto você chora porque perdeu o campeonato e seu representante aparece triste ao olhar inquietante de uma câmera, ele na verdade comemora o novo contrato que conseguiu para a empreiteira de seu compadre, que lhe garantiu boa porcentagem.

Interessante, mas vocês querem construir um partido e chegar ao poder, não é isso? Coerência?

Exatamente, nós queremos, nós queremos chegar ao poder para destruir o poder, nós não pedimos confiança, nós pedimos desconfiança, nós sabemos onde estamos e onde queremos chegar, nós não queremos seu dinheiro, nós queremos que ele fique com você, nós não queremos defendê-lo, nós queremos que você se defenda, nós não queremos poder, nós queremos liberdade.

Você é de esquerda? De direita? Sinto muito, mas seu time não.

Junte-se a nós.